"Rejeição – Sentimento de inferioridade"


São muitas as situações que podem desencadear o sentimento de rejeição: relacionamento amoroso, familiar, no trabalho e nas amizades. Em casos mais intensos pode-se encontrar a humilhação, o preconceito, o desemprego. Ser rejeitado é um medo bastante comum à maioria das pessoas. Afinal, quem é que não quer sentir-se amado, admirado e querido?

Desde a infância encontram-se muitas situações de rejeição, quem nunca ficou de lado ou se sentiu menos preferido? Nem que seja numa situação como entrevista de emprego ou no início de um namoro. As pessoas têm medo de não serem aceitas em circunstâncias como estas, pois são desconhecidas.

Esse medo pode ser freqüente, no entanto, sua persistência e repetição são preocupantes, pois pode surgir independente da situação real que se vive. Acontece devido à presença de fantasias que sustentam a idéia de que não se é suficientemente bom para os outros.

A comparação é algo comum e o resultado desta, para aquele que se sente inferior, é sempre desfavorável. Isso acaba acarretando numa dinâmica bastante aprisionante, principalmente para quem se sente compelido a agradar o tempo todo para evitar a rejeição. Outros acabam se isolando, fugindo do contato, pois assim acreditam que não serão rejeitados.

De um modo ou de outro, a pessoa que se sente constantemente assim pode apresentar muita dificuldade em lidar com as frustrações intrínsecas as relações. É importante lembrar que a total aceitação do outro é algo impossível. Nas relações as pessoas têm expectativas e quando o outro não corresponde a elas, a frustração tende a aparecer de diversas maneiras. Os casais costumam dizer: “você me decepcionou”, “você não é o que eu esperava!”, “você precisa ser de outro jeito”, ou seja, sempre há alguma coisa que falta.

Essas situações dificilmente surgem simplesmente pela pura rejeição. A pessoa que se sente sempre rejeitada tem sua parcela de responsabilidade por aquilo que lhe acontece. Seja pela manutenção da situação, por exemplo, uma pessoa que é constantemente ofendida e que não procura “cortar” essa dinâmica. Outro exemplo, quando a esposa é traída, mas se mantém na relação mesmo sabendo que isso acontece e a faça sofrer por uma situação indesejada. Quando se vive esta dinâmica é preciso se perguntar quais são os motivos que o levam a manter a situação tão temida? Quais são os limites?

É comum escutar a queixa de baixa auto-estima, sentimento de inferioridade, falta de amor próprio como causas. No entanto, essas questões podem estar relacionadas ao medo da rejeição e suas bases se fundam no modo que cada pessoa constrói sua imagem, sua existência e ao modo como se relaciona. Se esses conflitos forem intensos precisam ser trabalhados. Cabe questionar se há a necessidade de se viver com a sensação de que é ou será sempre rejeitado?


*É proibida a reprodução do texto publicado nesta página, no todo ou em parte, sem autorização escrita da autora, sujeito às penalidades previstas na Lei 9.610/98 de direitos autorais.

Powered by Drupal, an open source content management system